quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Continuo a não conseguir

ler avisos na estrada que estão escritos de baixo para cima, em duas ou mais linhas. Quem teve a brilhante ideia deve ser adepto de uma das seguintes teorias: a) quando se vai a conduzir só se consegue ler as palavras escritas na estrada pela ordem em que aparecem à nossa frente ou b) assim tens mais tempo para ler, porque vais a andar com o carro, lês a palavra mais próxima de ti, conforme o carro continua a avançar lês a palavra do meio (se existir) e, dado que o carro não pára para lermos o que está escrito no chão, lês por fim a última (ou primeira, mas não quero estar a confundir-vos) e ficas a saber onde te levará aquela estrada (em princípio e se vocês já conhecerem mais ou menos o caminho, que as indicações nas estradas portuguesas não servem para ajudar ninguém a chegar a lado nenhum, mas isso é uma outra conversa). Dou-vos exemplos. Na maravilhosa rotunda do Centro Sul, em Almada, existe uma saída para a

...................Piedade
.......................da
.....................Cova
.
e outra para a
.
...................Caparica
........................da
.....................Costa.
.
Os muito espertos (ou nem por isso) não precisarão de descodificação, até porque escrever ao contrário (só de baixo para cima, que isso de escrever da esquerda para a direita é coisa de génios como o Da Vinci) é o pão nosso de cada dia nas estradas, mas para os outros estas são as saídas para a Cova da Piedade (não vou hoje explanar-me sobre a poeticidade de tal nome) e para a Costa da Caparica (que, não sendo um nome poético como o outro tem pelo menos a sua história, sendo que essa também ficará para outra vez). Mas não se pense que esta moda é exclusiva do nosso rectângulo. Aqui também têm a mania, ainda ontem reparei numa faixa do eléctrico que dizia:
.
......................Lijn
.....................BUS
.
Que é como quem diz BUS lijn ou, melhor ainda, faixa para transportes públicos.
Será que os semi-analfabetos lêem com mais facilidade assim? É que eu, que até na casa-de-banho gosto de ler qualquer coisa e já cheguei a entreter-me com as composições em latim de chapôs e outros produtos de higiene, não consigo ler de baixo para cima, nem quando vou em andamento, não consigo ler de uma forma que, para o meu cérebro, não deixa de ser ler do fim para o princípio! Agora, leitores e frequentadores aqui do aquário, sendo vós criaturas inteligentes, conseguem ler estas coisas ou cada vez que passam no Centro Sul (ou outro local do vosso agrado) também lêem Piedade da Cova e Caparica da Costa e sorriem sozinhos no carro perante a idiotice?.

6 comentários:

Rita Maria disse...

Eu também nao consigo e acho muito pateta, confunde-me sempre...se calhar nao vamos rápido que chegue?

fd disse...

“Cova da Piedade (não vou hoje explanar-me sobre a poeticidade de tal nome)” lol.

Sobre as indicações redigidas no pavimento, dada a reduzida dimensão das mesmas, é-me indiferente o sentido da escrita. Leio de qualquer maneira. Achava engraçado quando me deparei com as primeiras ao contrário e sorria.

Já se tivesse de ler a introdução da guerra das estrelas no asfalto enquanto ia a conduzir preferia um texto de baixo para cima.

Proponho um referendo. :)

Goldfish disse...

Deve ser isso, Rita, mais velocidade!

O nome é poético, então não é! :D

Miepeee disse...

As coisas em que tu reparas .... ahahahaah
Vou passar a tomar atencao ;)

Gi disse...

A mim também me irrita imenso ter de ler mão/Porti à saída da autoestrada do sul.

Antígona disse...

lol Tem graça que a primeira vez que vi isso também me fez confusão, mas depois passou a fazer sentido: vai-se lendo à medida que se vai avançando. :)