terça-feira, 11 de setembro de 2012

(Sementes da) Revolta

.
Eu nunca vi um dos nossos governantes mas hoje sei o que faria se me cruzasse com alguém do governo que reconhecesse. Virava-lhe as costas. Mudava, ostensivamente, de passeio. Vaiava-o (um bom velho 'buuu' chegava). Brandos costumes, povo ordeiro - tudo bem. Nada ganhávamos em atirar pedras ou insultos, em bater ou em cuspir na fronha de um dos nossos ministros - além da lama lavada e de uma visita às instalações da polícia. Mas há formas de mostrar o descontentamento igualmente óbvias e que não constituem crime. Imaginem, por exemplo, a ida ao concerto de Pedro Passos Coelho na 6ª feira, logo a seguir à comunicação ao país se, em vez de nada se passar, a sala em peso o vaiasse. Se as pessoas não se sentassem, ficando teimosamente de pé e de costas para ele. Ou se até apenas metade o fizesse. Nada resolve, podem dizê-lo e têm razão. Mas passava a mensagem - porque alguém tem de mostrar a quem de direito que os limites já foram ultrapassados.
.

2 comentários:

momentU disse...

não consigo dizer nada sobre isto. só suspirar. ou virar a cara a alguém, mudar de passeio, se tiver oportunidade.

Goldfish disse...

E eu acho que vou para a rua no dia 15. Sinto-me na obrigação de ir.