terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Todo o tempo do mundo

.
Se há coisa que raramente faço a conduzir é apitar (canto, insulto, gesticulo, mas essencialmente para os meus ouvidos apenas), em especial no meio de ruas e se me parece que o empata à minha frente procura algo - sei bem o que é tentar desesperadamente ler as liliputianas placas toponímicas portuguesas. Mas perto da escola onde trabalho e à qual ia chegar mesmo à hora há lugares a rodos, e quem está a procurar algo com facilidade encosta e deixa os carros de trás passar. Ora a pensar nesta hipótese e depois de 1 quarteirão e meio a 20km/hora dei uma pequena buzinadela naquela de avisar "Hello! Há gente atrás...". Qual não é o meu espanto quando o carro, em vez de encostar, pára no meio da rua, a porta do condutor abre-se (confesso que cheguei a pensar que me iam atacar) e sai um tipo com roupa de chulo cheia de cores garridas misturadas, correntes (várias) ao pescoço, abre os braços a olhar para mim e diz-me "O meu negócio é a droga, tenho todo o tempo do mundo!" e vai passear, fingindo estar interessado na casa em frente. Passados os 5 segundo iniciais de espanto lá gritei pela janela "Ainda bem para si, mas importa-se de sair da frente que eu, sim, trabalho?". Olha que não me faltava mais nada. Agora os traficantes anunciam-no à boca cheia e deslocam-se em carrinhas familiares da Volvo.
.

2 comentários:

Clau disse...

LOLOL... Trabalhas para os lados de Chelas? LOLOLOL

Goldfish disse...

Já não. Mas lá que parecia, parecia.