quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Continuas a segurar-me

.
.
Hoje sonhei contigo, e acordei como que com a tua imagem colada ao interior das pálpebras, relembrando-me a tua presença a cada piscar de olhos. Não sei o que sonhei, nunca sei e hoje não foge à regra, mas conforta-me saber que não te esqueci. A memória dos meus sonhos é tão parca que o pouco que guardo é como minério raro: duradouro e precioso.
.

5 comentários:

CF disse...

:) Toma um sorriso. E espero que ela te segure para sempre :)

momentU disse...

não precisas de sonhos para te lembrares dela, pois não? por exemplo, havia os Verões na casa grande, os passeios à praia, a paciência infinita para as brincadeiras de 5 miúdos comandados por um que era pior que os outros todos. e a mestria com que nos sentava a todos numa mesa e nos aguentava calados para nos explicar matemática. e lembro-me de ti com ela, a tua outra mãe. isso não se esquece :)

Goldfish disse...

Às vezes parece-me que lembrar é pouco. Sonhar significa que o inconsciente também sente a falta, o que é ainda mais relevante.

Mie disse...

Eu sonho com "ela" quase todos os dias e sabe tao bem !!

Goldfish disse...

Eu tenho pena de me lembrar pouco do que sonho.